quinta-feira, 19 de março de 2015

Tarte de ganache com fruta!

Uma receita tão simples e que surpreende!

A base da massa fiz eu, mas se quisermos apressar as coisas podemos fazer com massa comprada, mas não é tão bom...

A massa quebrada fiz num robot de cozinha. Adicionei 225 gr de farinha e 110 gr de manteiga. Misturar. Depois coloquei um ovo inteiro e cerca de 20 gr de açúcar (não queria a massa muito doce) e uma pitada de sal refinado. Misturar mais um pouco. Temos que ficar com a consistência de migalhas grandes. Retirar e amassar numa bancada enfarinhada, muito ligeiramente, só para aglomerar tudo. Colocar numa película aderente e levar ao frio durante 20 min.

Passado esse tempo, com a ajuda de um rolo, estendemos a massa na bancada enfarinhada e coloca-se na tarteira de fundo amovível (não costumo forrar nem barrar com manteiga e farinha porque esta massa não cola à forma). Damos o jeito que queremos na bordas da massa, pica-se o fundo e vai novamente ao frigorífico mais 10 minutos.

Depois, directamente do frio, vai ao forno pré-aquecido com pesos em cima (uso grão) cerca de 20 minutos. Depois retira-se os pesos e vai mais 5 minutos.

Notas: A questão de não amassarmos muito a massa no final e de a massa ser feita num robot de cozinha, é que não queremos que a manteiga aqueça. Se for com as mãos, ela tem tendência para se desfazer mais. A ideia é ficar com bocadinhos de manteiga visíveis que depois com o calor vão expandir e tornar a massa crocante! É por isso que cada vez que se mexe nela, temos que a colocar no frio. Não convém mesmo mexer muito na massa e se por mero acaso a massa estiver a ficar muito mole e não conseguimos fazer mais nada dela, evitar colocar mais farinha! É juntar tudo e levar novamente ao frio.
A questão de picarmos a massa já na tarteira é pelo facto de ela cozer uniformemente. E leva os pesos para não criar altos onde não deve, assim fica toda direitinha.
Esta massa dá para doces e salgados. Se fizer na versão para salgados é só cortar o açúcar.

Depois com a base feita é só enchermos! Fiz ganache de chocolate. Aquecer um pacote de 200 ml de natas, e assim que começar a ferver, desligar do lume e adicionar 200 gr de chocolate 70%. Mexer até ficar bem brilhante.

Deixar arrefecer o ganache e cobrir a base da tarte! Depois é só colocar fruta ao nosso gosto. Esta tarte levou morangos e manga.



Bom apetite!

Expo Milano 2015 - Middle East Chia Mousse!

Mais um desafio, mais uma receita!

"The global cookbook of Expo Milano 2015 is growing recipe after recipe. Are you ready for the next step? Be a pioneer of “Your recipe for Expo” and support those countries that need a little help to tell and share their culinary traditions.
Travel with us around the world!
First stop: the Middle East to discover Pistachio.

Show your passion for food and create your pistachio-recipes inspired by Middle Eastern culture.

Widely cultivated in Iran, Turkey and Syria, pistachio is called “the smiling nut” because of its half-open shells.
Thanks to its nutritional values, in Ancient times it was the snack for merchants and travelers along the Silk Road.


Expo worldrecipes will dedicate to this little fruit a special collection of recipes.
 
Sonia, choose a country and send us your Middle Eastern pistachio-recipes! Your contents could be featured on the homepage and shared on Expo Milano 2015 social profiles."

E assim foi! Fiz uma receita inspirada na Cozinha da Mafalda e com um toque de Middle East.

A Mafalda tem uma mousse de chia em que a receita base é:

3 chávenas de líquido para 1/2 chávena de sementes de chia e depois vamos adicionando sabores a gosto (ela dá várias hipóteses...)

Agarrando nessa ideia, fiz a minha versão.

Fiz metade da receita:

1 + 1/2 cup de sumo de laranja (dá cerca de 3 laranjas)
1/2 cup de sementes de chia (mantive a mesma quantidade de chia, porque já tinha experimentado com metade das sementes e para mim a mousse fica muito líquida, a Mafalda deve ter estas medidas porque faz com leite de amêndoa caseiro e deve ser mais espesso que o sumo de laranja)
1 colher sopa xarope de acér (ou mel)
1 colher de chá de canela
1 colher de chá de extracto de baunilha caseiro

Junto estes ingredientes todos num frasco com tampa.


Depois temos que agitar nos primeiros 5 a 10 minutos para que as sementes de chia não colem e comecem a ganhar aquela goma característica delas.


Conservar no frigorífico, pelo menos 4 horas.

Depois para empratar, eu usei copos individuais (deu 3 copos).

No fundo coloquei duas tâmaras abertas e sem caroço, coloquei manga aos bocadinhos e enchi com a mousse de chia (cerca de 4 colheres de sopa).

Por cima pus mais manga e uma tâmara aberta e polvilhei com pistachos com sal.

Digo-vos que é uma tentação!! O toque dos pistachos é fundamental, para dar aquele contraste do doce e salgado. Muito exótico e podemos combinar com outras frutas assim como o líquido onde colocamos as sementes! É só dar largas à imaginação!

Desta vez levo a WoodFlavors comigo até à Expo Milano 2015! Deu um toque fundamental à minha receita! Obrigada mais uma vez!





quarta-feira, 18 de março de 2015

Húmmus!

Um paté de origem do Médio Oriente, em que húmmus significa grão cozido.

Num robot de cozinha, introduzir uma lata pequena de grão cozido, 1 colher de chá de paprika, 1 dente de alho, 2 colheres de chá de tahine (pasta de sésamo), sumo de uma lima, sal (só uma pitada pois o grão já tem sal) e meio molho de coentros picados. Introduzir um fio de azeite e triturar bem.

Enquanto tritura, aos poucos vamos introduzindo mais azeite para chegar à consistência desejada. Não queremos um paté muito espesso, mas também não queremos um paté demasiado azeitado! É até se aperceberem que tem a consistência certa para o vosso gosto. Tem que ficar firme mas cremoso.

No final, colocar numa taça e por cima polvilhar com uma pitada de paprika e um fio de azeite. Uma perdição...

terça-feira, 17 de março de 2015

Queijo Camembert com Nozes, Mel & Maçã!

Esta foto andava aqui perdida... :)

Entrada tão simples e tão deliciosa!

Um queijo Camembert, retiramos o plástico onde vem embrulhado, voltamos a colocar dentro da caixinha de madeira e fazemos uns golpes por cima, na casca do queijo.

Introduzir algumas nozes (a gosto) e vai ao forno, cerca de 5 a 7 minutos, para ficar bem molinho por dentro.

Já cá fora, regar com mel, servir com maçãs e pão torrado.

Uma tentação...

quinta-feira, 12 de março de 2015

Mini-Croissants de salsicha e mostarda!

Mais uma ideia para uma festa, para uma entrada, para um petisco...

Massa folhada redonda (de compra...) cortar como mostro na figura.


Eu vou cortando ao meio e depois cada metade em quartos... Se é que me faço entender...

Depois em cada triângulo colocar um quarto de salsicha e uma colher de café de mostarda dijon (ter atenção para não exagerar porque a mostarda dijon é forte e os folhados são pequenos!)


De seguida é só embrulhar! Começamos pela parte mais larga e vamos embrulhando até à ponta. Podemos variar o recheio com queijo mozzarella ou outro a gosto. No fim pincelamos com ovo e colocamos sementes de papoila e ou sementes de sésamo.


Vai ao forno a 180/200ºC durante cerca de 20 a 30 minutos (conforme os fornos).


Uma perdição... Ganham asas e voam num instante! Desaparecem em menos de nada!

quarta-feira, 11 de março de 2015

Bruschetas de Presunto, Brie, Nozes e Mel!

Tão simples e tão bom!

Não é nenhuma receita, mas sim uma ideia para uma entrada, um petisco, um jantar de amigos...

Um cacete (ou baguete), cortar fatias na diagonal, colocar meia fatia de presunto, um pedacinho de queijo brie e vai ao forno, a gratinar, cerca de 5 min a 180ºC (conforme os fornos) só queremos que o queijo fique gratinado.

Depois, retirar e colocar meia noz e um fio de mel. Polvilhei no fim com funcho.

Servir nas tábuas de madeira WoodFlavors!

Nem imaginam a cara de felicidade que as pessoas ficam quando chegamos à mesa assim com isto nas mãos... É um sorriso de orelha a orelha! :-)



terça-feira, 10 de março de 2015

Peito de Perú com tâmaras marinadas em chá de gengibre!

Esta semana ando com o peito de perú... Então hoje lembrei-me da minha receita de peito de perú com alperces e decidi fazê-la mas modificar ligeiramente.

A primeira coisa a ser feita é o chá de gengibre. Deixar arrefecer (mas não é preciso ficar totalmente frio).

Depois numa tacinha, coloca-se um bocadinho do chá e 50 gr de tâmaras sem caroço e cortada em pedacinhos. Deixar marinar até precisarmos. Por acaso até coloquei um raminho de funcho lá dentro também, sempre ajuda a dar gostinho!


Depois, num tacho, coloquei uma cebola picada, um fio de azeite, uma noz de gengibre ralado, um alho picado e deixei refogar em lume brando. Adicionei o peito de perú cortado em quadrados e deixei alourar cerca de 5 minutos. Depois adicionei um caldo de galinha natura, meia lata de tomate pelado em pedaços, sal, deixei suar mais 5 minutos com a tampa e por fim 250 ml de chá de gengibre.

Deixei cozinhar cerca de 15 minutos e por fim adicionei as tâmaras, mesmo com o chá onde esteve a marinar. Cozinhar por mais 5 minutos. Rectificar temperos e serve com arroz branco.


A WoodFlavors veio dar o ar da sua graça a este prato bem delicioso!

segunda-feira, 9 de março de 2015

Chez Sónia no CookBook da Expo Milano 2015!


Foi com grande orgulho a alegria que recebi um email vindo da Expo Milano 2015 a convidar-me para participar com uma receita minha no “cookbook” que irá estar virtualmente no site da exposição.

Veja mais AQUI

"Dear Sónia Melo,
we selected you, as author of Chez Sónia, after an accurate scouting and we are glad to invite you to join Expo worldrecipes, the official global cookbook of Expo Milano 2015: this is a unique opportunity to showcase your content worldwide in connection with a one-off event for foodies all over the world.

Being part of Expo worldrecipes Community gives you the great opportunity to share your recipes and your passion for food side by side with chefs, media publishers, food bloggers and professionals from all over the world. Don’t miss it, it’s totally free!"


Por acaso já tinha conversado com os meus botões que tinha imensa pena de não estar presente nesta grande feira gastronómica que irá realizar-se em Milão entre os dias 01 de Maio e 31 de Outubro, pois um bom “foodie” gostaria de participar em tudo o que tenha a ver com gastronomia! Mas assim sendo, vou virtualmente!! Fiquei super feliz!


Participei com a minha receita de Chowder Açoriano. Espero estar à altura com esta receita. Mas irei participar com mais!

Pelo que entendo qualquer pessoa poderá participar. A receita tem é que ir em Inglês e a foto ter apresentação. Depois passa por um "júri" e só depois é publicada. Portanto agora deixo eu aqui o convite para se inscreverem e representar Portugal virtualmente, visto que o nosso País não irá estar presente na maior feira gastronómica do mundo… Vergonhoso! Já existe “falatórios” (como por exemplo este AQUI) e não se entende o porquê de não termos ido… Mas termino aqui o meu sentimento de revolta para com os governantes do nosso pais, senão tínhamos aqui “pano para mangas”.

Portanto, vamos lá ganhar voz e levar Portugal até Milão pois temos tanta coisa boa para mostrar! A nossa gastronomia é tão rica!! Vamos nos juntar e enriquecer o “cookbook” da Expo Milano 2015 com comida boa e nossa!! Também merecemos estar na Maior Feira Gastronómica! Já que a quem compete fazer esse trabalho não o faz, temos que fazer nós!! E é se queremos que o nosso pais chegue a algum lado!

Quando tiver o link directo para a minha receita irei actualizar o post.

domingo, 8 de março de 2015

Perú e as suas versatilidades!

Gosto de peito de perú pois com ele pode-se fazer imensas coisas!

Podemos fazer inteiro, ou então cortamos em bifes, por exemplo, que foi o caso de hoje.

Fiz uns bifinhos grelhados, que acompanhei com esparguete e molho de iogurte com pêra abacate.

Para fazerem um empratamento bonito de esparguete, experimentem com uma concha e um garfo! Fica na perfeição!


O molho de iogurte foi o que sobrou desta receita, eu só acrescentei pêra abacate madura e picada com um garfo. Adoro a combinação!


Depois, com o que restou de bifes de perú, para o jantar fiz uma sandwich!

Aqueci meia lata de feijão preto, com um pouco do suco que trás dentro da lata, numa frigideira. Polvilhei com cominhos e deixei cerca de 15 min a ferver em lume mínimo. Depois, na hora de servir, reguei com um fio de azeite, cortei em pedacinhos os bifes, misturei no feijão e pus em cima de um pãozinho de sementes. Ainda havia um restinho de molho de iogurte e abacate que também aproveitei na minha sandwich.
Chamem-me de louca, mas ficou uma perdição!!


A WoodFlavors deu o toque que uma simples sandwich necessitava!

sábado, 7 de março de 2015

Filete de Abrótea cozido ao vapor de funcho e gengibre!

De vez em quando convém inovar na cozinha. Fazer e experimentar coisas novas assim como novas técnicas. Foi o caso de hoje.

Numa panela de cozer a vapor, no fundo, coloquei funcho fresco e ralei uma noz de gengibre. Pus a parte de cima da panela e coloquei dois filetes de abrótea temperados com sal e pimenta branca. Tapei e deixei aquecer, em lume brando, cerca de 5 a 7 minutos (ter atenção para ver se não queima) e depois quando o fundo da panela estiver bem quente, refresquei com 50 ml de aguardente e 50 ml de água.

Esta operação tem que ser feita muito rapidamente, ou seja, levantamos a parte de cima da panela onde está o peixe, refrescamos com a aguardente e a água e colocamos imediatamente a parte de cima da panela, com o peixe (que tem a tampa por cima) para não se perder os vapores, os aromas.

Deixar ferver cerca de 10 a 15 minutos. Coze muito rapidamente! Se não quiserem usar aguardente, usem só água. Os 100 ml depende do tamanho da panela de cozer a vapor. Se for muito grande e virem que 100 ml de liquido é pouco, acrescentar mais. Tem que cobrir o fundo da panela.

Acompanha com batata doce assada no forno e um molho de iogurte.

A batata é cortada em palitos grossos, com casca, e envolta em azeite, sal e paprika. Vai ao forno cerca de 20 a 25 min. conforme os fornos, a 180/200ºC.

O molho de iogurte, fiz com uma embalagem de iogurte natural, uma colher de chá de vinagre de champanhe (ou outro a gosto), uma pitada de sal, uma colher de chá de mel, uma colher ou duas de azeite e uma colher de chá de mostarda dijon. Mexer tudo muito bem e servir polvilhado com sementes de sésamo.

Nunca comi peixe cozido tão saboroso!

E mais uma vez, a WoodFlavors esteve presente na nossa mesa para abrilhantar este prato tão simples!

segunda-feira, 2 de março de 2015

Uma visita e uma receita!

Ontem fui ver, pela primeira vez (finalmente!!) a Exposição de Camélias nas Furnas.


A Camélia, símbolo da Chanel desde sempre (ver história AQUI). Na Ásia é símbolo de pureza e longevidade. No Japão significa "excelência sem pretensão".


Uma exposição que já vai na sua 13ª edição. A ver se para o ano não volto a perder, pois valeu mesmo a pena!

Cá fora tinhamos venda de camélias, assim como fotos das suas mais diversas espécies.




Lá dentro havia das mais belas camélias que alguma vez vimos... Dos quatro cantos do mundo, assim como das mais variadas espécies!







Tinha também uma sala onde podíamos degustar e ver o que de melhor se faz em S. Miguel!


Uma das bancadas mereceu a minha maior atenção... Queijada de Inhame!


Trouxe uma caixa para casa, duas foram comidas assim, para serem degustadas no seu estado mais natural e as outras quatro prometi a mim mesma fazer uma sobremesa a partir das queijadas!


Saiu um "De-Constructed" Cheesecake de Lima com Queijada de Inhame!

Uma perdição... de que me lembrei eu... O cheesecake não saiu muito doce (pois as queijadas já o são...) e numa versão mais light do que eu estou habituada a fazer: sem natas!

Parti 4 queijadas em pedacinhos pequenos. Depois coloquei no forno, para termos algo crocante, e devido à sua consistência de queijada a ver se seca mais um bocadinho. Ter muito cuidado para não queimar, só queremos lhe dar um aspecto mais crispy! Cerca de 5 min deve ser suficiente. Quando retirarmos do forno, os pedacinhos começam a arrefecer e vão ficar mais rijinhos.


Bati uma embalagem de queijo creme, à temperatura ambiente. Depois, enquanto a batedeira continua a bater, adicionar uma lata de leite condensado, dois iogurtes naturais e raspa e sumo de uma lima. Continuou a bater, até verificarmos com um creme espesso.

Como eu ia fazer em versão "De-Constructed" não me preocupei com a consistência dele, mas mesmo assim adicionei 6 gr de gelatina em pó (sem açucar) de sabor laranja-manga diluída numa colher de sopa de água quente.

Costumo adicionar natas, mas não senti falta delas aqui! E para a próxima não vou por a lata toda do leite condensado.

Uma perdição e um Cheesecake bem diferente!

Claro que não podiam faltar as minhas tábuas WoodFlavors!!


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Duas espécies de omeletas... Com muito sabor!!

Não é bem omeletas mas é parecido! A primeira é mais tipo ovos mexidos com coisas boas, a segunda está melhorzinha mas ainda precisa de melhoramentos!

Omeletas é muito versátil pois podemos fazer de imensas coisas!! E se ao começarmos a formar a omeleta, ela não estiver a dar certo, vira sempre ovos mexidos!

Foi mais ou menos o caso destas... Penso que o problema foi ter recheio a mais e eu não ter deixado passar um bocadinho mais os ovos, mas gosto deles assim, amarelinhos e mal passados, por isso torna-se complicado dobrar a omeleta...

A primeira, foi feita com atum, cogumelos e queijo. Acompanhei com grão, cebola picadinha e coentros.


A segunda foi com o resto do atum, cogumelos salteados com paio do lombo, rúcula e coentros. Acompanhei com uma massinha tricolor e cebolinho.



Cada omeleta foi feita com cinco ovos e 4 colheres de sobremesa de natas, pois vai deixá-las mais fofas.

Quando tiver a perfeição nas omeletas eu coloco aqui as minhas dicas, até lá, ficam as ideias só dos sabores que conjugaram perfeitamente! Um casamento fantástico!

Se alguém tiver dicas agradeço do fundo do coração! <3

A apresentação foi feita nas tábuas WoodFlavors!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Arroz Gorreana com Frango em Molho de Soja e Mel e mais um desafio!

Adoro desafios! E hoje, na calmaria do meu dia, surgiu um!

Sem saber o que fazer para o almoço, o desafio acabou por dar-me a resposta!

O site The Right Tea, liderado por uma grande amiga minha, onde podemos desfrutar de dicas, experiências e curiosidades sobre o chá, desafiou-me a encaixar o chá nas minhas receitas, em que o chá ganhasse destaque e fosse um ingrediente principal.

Desafio aceite e desafio cumprido!

Tinha frango para o almoço com arroz branco, de manteiga e lembrei-me: Porque não avivar uma coisa enfadonha (o arroz branco) e torná-lo mais vivo? E assim foi!

Chá Verde, um ingrediente tão nosso (Chá Gorreana) com propriedades tão boas (cheio de anti-oxidantes) porque não usar mais vezes na nossa alimentação, em vez de usar água?

E assim foi, decidi fazer a receita de frango com molho de soja e mel que uso bastantes vezes e acompanhar com arroz de Gorreana.

O arroz não há nada mais fácil de fazer: Primeiro faz-se o chá. Para meio litro de água, uma colher de sopa de chá verde Gorreana. Atenção para não deixar ferver a água, senão quando colocarem o chá vai dar cabo das propriedades riquíssimas dele. Colocar o chá e deixar em infusão durante 5 minutos (conforme o gosto, se gostarem de mais forte deixem mais tempo), coar e depois fazer o arroz normalmente, como se água se tratasse.

O meu arroz branco costumo fazer muito simples: para duas pessoas, uma caneca de água (cerca de 350 ml de água - neste caso de chá) e depois quando ferver deitar metade da medida de água de arroz (ou seja, cerca de meia caneca). Temperar com sal (mas pouco...). Dá para ver se têm muita ou pouca água, se ao deitarem o arroz e com a ajuda de uma colher, o juntarem no centro do tachinho, se ele tocar no nível da água é porque têm a medida certa.


Mas normalmente, se cumprirem a regra de uma medida de água para meia de arroz, nunca vai falhar. No final, depois de ter absorvido a água praticamente toda, tirar do lume e adicionar um fio de azeite e envolver. O arroz vai ficar ligeiramente mais escuro que o normal, devido à cor do chá.

Na eventualidade, de não quererem dar-se ao trabalho de fazerem o chá primeiro, sempre podem colocar primeiro a água, já no tacho, para o arroz e depois quando a água ferver, colocar primeiro o arroz e só depois as folhas do chá num coador, daqueles que colocamos nos bules. Mas penso que assim se perdem propriedades do chá pois as folhas irão estar a ferver juntamente com a água e o arroz, e como disse há pouco, as folhas do chá verde não querem água a ferver...

Dá uma combinação infalível! E por mim até comia o arroz só assim! Fica muito melhor que o arroz branco normal... Podem experimentar com outros chás, ficará delicioso de certeza!

A apresentação é feita nas tábuas WoodFlavors!


A minha receita no site do The Right Tea AQUI
Podem encontrar o The Right Tea também no Facebook!

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Um post nostálgico mas com boas memórias!

Hoje deu-me para as saudades...

Saudade de Lisboa, da minha Terra, do meu local de nascença, dos costumes, hábitos, sabores, aromas e cores que se desfruta pelas ruas, da gastronomia, dos mercados tradicionais...

E lembrei-me do Mercado de Campo de Ourique! Bairro típico de Lisboa, assim como o Mercado em si. Adorei a minha visita quando lá estive o ano passado e fui até à Parceria das Conservas.

Uma banca cheia de cor, sabor, aromas e produtos de tudo o que a nossa gostronomia tem de bom para oferecer.

Sem dúvida um local de paragem obrigatória para quem for para aqueles lados! Vejam e comprovem as iguarias que por lá se vende!

Deixo aqui o catálogo para verem as coisas boas que podem encontrar por lá

E quem lá for, que leve lembranças minhas! :)

De lá trouxe uma farinha de cogumelos, que basta uma colher pequena para mudar todo o sabor de uma receita básica!

Tenho utilizado em várias receitas e deixo aqui mais uma, hoje em memória das boas lembranças!

Quando estou assim, só me apetece confort food... Ora, confort food onde eu possa utilizar a farinha de cogumelos...

Pizzas!!

Faço a massa com 1 chávena e 3/4 de farinha (cerca de 200 gr), uma colher de chá de farinha de cogumelos, uma colher de chá de fermento, uma pitada de sal, algumas ervas aromáticas a gosto e depois, abrindo um buraco na mistura anterior, coloco 1/2 chávena de água morna, 1/3 de chávena de azeite (cerca de 80 ml) e misturo tudo. É uma massa muito fácil de se amassar à mão e não precisa de estarmos a amassar muito tempo, é até ver que os ingredientes estão bem integrados.

Estas fiz individuais, mas pode ser esticado numa base só. Vai ao forno pré-aquecido durante 5 a 7 minutos, não queremos que a massa coza na totalidade, pois precisamos de as rechear.

O recheio é a gosto. Eu ponho queijo, fiambre, tomate, bacon... é o que tiver no frigorífico...

Vai novamente ao forno mais cerca de 5 minutos e voilá! Uma pizza com uma base crocante, fina e cheia de sabor! Termino com rúcula e coentros, mesmo já quando estão na mesa.


Bom Apetite e Vivam as Memórias!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...